Loading
Quinta-feira, 18 de julho de 2019
http://www.cress-es.org.br/site/components/com_gk3_photoslide/thumbs_big/482483nota_informativa_destaque.jpglink
http://www.cress-es.org.br/site/components/com_gk3_photoslide/thumbs_big/873152recadastramento_2017.jpglink
http://www.cress-es.org.br/site/components/com_gk3_photoslide/thumbs_big/986493PicsArt_01_07_04.15.09.jpglink
http://www.cress-es.org.br/site/components/com_gk3_photoslide/thumbs_big/240286Gestao_destaque.jpglink

Intervenção do CRESS-ES em processos seletivos e concursos

O CRESS-17ª Região, por meio da Comissão de Orientação e Fiscalização – COFI construiu uma nota explicativa apresentando informações acerca das intervenções adotadas no acompanhamento de oferta de vagas em concursos See details

NOTA SOBRE O NOVO DIP

Prezadas/os Assistentes Sociais,   O Conselho Regional de Serviço Social – CRESS 17ª Região/ES se serve da presente nota para prestar novos esclarecimentos à categoria de Assistentes Sociais do estado do See details

IDENTIDADE DE GÊNERO: CRESS-ES apresenta Termo de Orientação

O CRESS-ES divulga Termo de Orientação sobre "respeito à identidade de gênero e a utilização do nome social nos diferentes espaços sócio-ocupacionais".   See details

Conselheiras e Conselheiros

A gestão “Tempos de Resistir” (2017/2020) conta com as/os seguintes conselheiras/os:   Presidente: Pollyana Tereza Ramos Pazolini   Vice-Presidente: Sabrina Lúcia Pinto da Silva 1ª Secretária: Patrícia Maria Sousa de Jesus2ª Secretária: Emily Marques Tenorio1ª See details

Intervenção do CRESS-ES em processos seletivos e concursos NOTA SOBRE O NOVO DIP IDENTIDADE DE GÊNERO: CRESS-ES apresenta Termo de Orientação Conselheiras e Conselheiros
    


Discussão sobre escuta e inquirição de crianças e adolescentes pauta manhã no primeiro dia do evento PDF Imprimir E-mail
Qui, 21 de Março de 2013 18:42

Uma das palestrantes comparou o programa Depoimento sem Danos a "uma espécie de tortura"

 

Aproximadamente 300 pessoas participaram da abertura do I Encontro Estadual de Assistentes Sociais e Psicólogos da Área Sociojurídica nesta quinta-feira (21). Estudantes e profissionais estiveram no auditório Manoel Vereza durante todo o dia no Centro de Ciências Jurídicas e Econômicas (CCJE), no campus de Goiabeiras da Ufes, em Vitória.

 

Na abertura a vice-presidente do Conselho Regional de Serviço Social 17ª Região (Cress-17), Nildete Turra Ferreira, lembrou que o evento – que é uma realização conjunta do Cress-17 e do Conselho Regional de Psicologia (CRP-16) – já se mostrava um sucesso, uma vez que a presença dos profissionais e estudantes foi expressiva.

 

Ela também apontou os desafios das duas profissões na atualidade. “Estamos sofrendo um retrocesso no respeito aos profissionais e aos direitos humanos. Isso se reflete no tratamento que tem sido dispensado à população em situação de rua, ao sistema prisional, ao sistema sócio-educativo, além do extermínio dos jovens negros”, disse.

 

Já a vice-presidente do CRP-16, Silvia Fontes, fez um breve histórico sobre a inserção da Psicologia no campo sociojurídico, destacando também a interação profissional com o Serviço Social.

 

"A recente história da Psicologia e do Serviço Social começou a ganhar os contornos que têm hoje nas últimas décadas. Portanto, as/os profissionais e estudantes que estão aqui fazem parte dessa construção interdisciplinar e profissional", afirmou Silvia. Confira aqui a íntegra do discurso.

 

Tortura

Durante os trabalhos da manhã a mesa do evento abordou o tema: “Escuta e/ou inquirição de crianças e adolescentes: a atribuição profissional na perspectiva dos direitos humanos”. A mediação da mesa foi realizada pela psicóloga Danielly Bart do Nascimento.

 

A primeira a falar foi a assistente social e mestre pela PUC de São Paulo, Áurea Satomi Fuziwara. Ela é servidora do Tribunal de Justiça de São Paulo, doutoranda em Serviço Social e pesquisadora do Núcleo de Estudos e Pesquisas em Ética de Direitos Humanos da PUC-SP.

 

Áurea apontou o programa Depoimento sem Danos, que prevê que crianças e adolescentes testemunhem sobre crimes na Justiça, como uma espécie de tortura. Neste programa juízes orientam a inquirição às crianças com acompanhamento de psicólogos e assistentes sociais, o que configura um desafio para os profissionais.

 

Ela destacou que a abordagem da violência contra a criança, em especial no campo sexual, é sempre moralista e com viés punitivo, sem a preocupação de entender a sociedade que viola e deixa que crianças sejam violadas.

 

Áurea defendeu que, ao invés de “torturar” crianças, os Estados devem investir mais na contratação de profissionais e aparelhamento de uma polícia científica eficaz e capaz de produzir provas, ao invés de ampliar apenas o quadro das Polícias Militares.

 

Retrocesso

A psicóloga, mestre e doutora em Educação pela Boston University e pós-doutora em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Esther Maria de Magalhães Arantes, fez a exposição em seguida. Ela é professora da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), conselheira do Conanda e representou o Conselho Federal de Psicologia (CFP).

 

Esther disse estar muito feliz com o evento, pois representa um indício de que a “disputa entre as duas categorias pelo espaço de trabalho foi superada” e lembrou que os conselhos têm uma longa trajetória na defesa dos Direitos Humanos.

 

“Todos nós lutamos muito para acabar com a ditadura. Hoje temos os movimentos dos negros, das mulheres, da população em situação de rua, dos LGBT. Mas estamos em um momento de retrocesso”, disse.

 

Para ela, a eleição do deputado federal pastor Marco Feliciano (PSC) para a Comissão de Direitos Humanos da Câmara e as declarações dele de cunho racista, homofóbico e contra os direitos das mulheres são um retrocesso grave frente às conquistas dos últimos anos.

 

A professora lembrou, ainda, que dentro deste processo de retrocesso, o Rio de Janeiro, por exemplo, está promovendo ações higienistas, visando os grandes eventos que a cidade receberá, como a Copa do Mundo e as Olimpíadas. Segundo a professora, este movimento tem impactado gravemente a população, com internações compulsórias de dependentes químicos em ações violentas.

 

E alertou para a importância dos profissionais não entrarem na armadilha do discurso que dá apenas duas opções para esta questão: recolher as pessoas ou abandonar as pessoas. Para ela, a opção não é nenhuma das duas e o que estão fazendo é recolhimento e não acolhimento. “A opção é implementar políticas como Hospitais Dia, Cras, Creas e uma abordagem de rua que respeite o indivíduo”, defendeu.

 

Esther lembrou que a Lei de Diretrizes e Base (LDB) prevê que a escola discuta com as crianças seus direitos e o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). Ela explicou que isso vai muito além de ensinar a criança a denunciar seus pais por abuso, quando às vezes isso nem ocorreu.

 

“Não podemos reduzir a política de educação a um apêndice da política criminal. Se for assim, todo o trabalho que é realizado fica a serviço do aparato jurídico para a produção de provas. A função da política de assistência é protetiva e não investigativa. Há mulheres com medo de fazer o pré-natal para não perderem o pátrio poder ainda no útero, por serem usuárias de drogas. Nossa atuação difere da do juiz e da Polícia. Elas têm o seu lugar, mas este não é o nosso papel”, disse, lembrando que está ocorrendo uma desqualificação das profissões de psicólogo e assistente social.

LAST_UPDATED2
 

Direto do Conselho

  • 0
  • 1
  • 2
prev
next

Intervenção do CRESS-ES em processos sel

O CRESS-17ª Região, por meio da Comissão de Orientação e Fiscalização – COFI construiu uma nota explicativa apresentando informações acerca das intervenções adotadas no acompanhamento de oferta de vagas em concursos ...

Direto do Conselho | Quarta-feira, 11 Outubro 2017

Leia mais

Melhorias no sistema de PABX

  A Gestão "Tempos de Resistir" tem ciência das dificuldades enfrentadas pela categoria no acesso ao CRESS via contato telefônico. Após análise dos problemas, foram realizadas melhorias no sistema PABX com aq...

Direto do Conselho | Terça-feira, 26 Setembro 2017

Leia mais

IDENTIDADE DE GÊNERO: CRESS-ES apresenta

O CRESS-ES divulga Termo de Orientação sobre "respeito à identidade de gênero e a utilização do nome social nos diferentes espaços ...

Direto do Conselho | Sexta-feira, 6 Janeiro 2017

Leia mais
next
prev

Agenda

Não há eventos correntes.

Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner