Loading
Quinta-feira, 19 de outubro de 2017
http://www.cress-es.org.br/site/components/com_gk3_photoslide/thumbs_big/482483nota_informativa_destaque.jpglink
http://www.cress-es.org.br/site/components/com_gk3_photoslide/thumbs_big/873152recadastramento_2017.jpglink
http://www.cress-es.org.br/site/components/com_gk3_photoslide/thumbs_big/986493PicsArt_01_07_04.15.09.jpglink
http://www.cress-es.org.br/site/components/com_gk3_photoslide/thumbs_big/240286Gestao_destaque.jpglink

Intervenção do CRESS-ES em processos seletivos e concursos

O CRESS-17ª Região, por meio da Comissão de Orientação e Fiscalização – COFI construiu uma nota explicativa apresentando informações acerca das intervenções adotadas no acompanhamento de oferta de vagas em concursos See details

NOTA SOBRE O NOVO DIP

Prezadas/os Assistentes Sociais,   O Conselho Regional de Serviço Social – CRESS 17ª Região/ES se serve da presente nota para prestar novos esclarecimentos à categoria de Assistentes Sociais do estado do See details

IDENTIDADE DE GÊNERO: CRESS-ES apresenta Termo de Orientação

O CRESS-ES divulga Termo de Orientação sobre "respeito à identidade de gênero e a utilização do nome social nos diferentes espaços sócio-ocupacionais".   See details

Conselheiras e Conselheiros

A gestão “Tempos de Resistir” (2017/2020) conta com as/os seguintes conselheiras/os:   Presidente: Pollyana Tereza Ramos Pazolini   Vice-Presidente: Sabrina Lúcia Pinto da Silva 1ª Secretária: Patrícia Maria Sousa de Jesus2ª Secretária: Emily Marques Tenorio1ª See details

Intervenção do CRESS-ES em processos seletivos e concursos NOTA SOBRE O NOVO DIP IDENTIDADE DE GÊNERO: CRESS-ES apresenta Termo de Orientação Conselheiras e Conselheiros
    


10 de outubro – Dia Mundial da Saúde Mental: Muito mais a refletir do que comemorar PDF Imprimir E-mail
Sex, 10 de Outubro de 2014 14:11

Porque saúde não se vende

Louco não se prende

Quem tá doente é o sistema social!

[Engenho de Dentro - Fernanda / Chacal / Nanico]

(arte: Rafael Werkema)

 

Na data de 10 de outubro é comemorado o Dia Mundial da Saúde Mental. Entretanto, nesse dia temos muito mais a refletir sobre os desafios desse campo, no âmbito do Serviço Social, do que a comemorar.

 

É notável que a contrarreforma do Estado e a intensificação do desmonte das políticas sociais, assim como as recentes transformações ocorridas no sistema capitalista, acentuaram a lógica da concorrência, competitividade de valores individualistas, nos colocando frente a um cenário caótico que impacta diretamente na saúde mental da população.

 

Neste contexto, o crescente desenvolvimento de doenças relacionadas ao sofrimento mental é agravado pela desigualdade social, sobrecarga de trabalho e principalmente pela dificuldade de acesso aos bens e serviços produzidos pela sociedade capitalista.

 

A atual política de saúde mental do Brasil está pautada em princípios que consideram as pessoas que vivem em sofrimento psíquico como sujeitos de direitos, cidadãos/ãs que têm direito de acessar os vários serviços prestados no âmbito das políticas públicas e não somente aqueles que oferecem tratamentos específicos de saúde mental. Portanto, compreendemos que apesar dos avanços ocorridos no campo da legislação, a exemplo da criação da lei 10.216/2001, que dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental, e da Portaria 3.088/2011 do Ministério da Saúde que institui a Rede de Atenção Psicossocial (RAPS), a implantação de serviços de atenção psicossocial com estratégias de prevenção e promoção a saúde requer prioridade e se apresenta como uma tarefa complexa.

 

Hoje, já encontramos contrapontos daquilo que foi construído pelos movimentos sociais e que estão previstos em dispositivos substitutivos público-estatais preconizados na rede de atenção integral, como Centros de Atenção Psicossocial (CAPs), CAPs Álcool e Drogas (AD), Centros de Convivência, Centros de Acolhimento Transitório, Leitos para Desintoxicação em Hospitais Gerais (HG), Leitos Psiquiátricos em HG e Residências Terapêuticas. Todavia, em particular no campo de álcool e outras drogas, os avanços da reforma psiquiátrica, como a criação desses dispositivos para o cuidado em saúde baseado na inclusão e na inserção comunitária e familiar, têm sido ameaçados pela atual Política sobre Drogas no Estado do Espírito Santo, que tem privilegiado a oferta pública de serviços via o credenciamento de Comunidades Terapêuticas, chamadas pelo Governo como “Entidades Acolhedoras”, onde se observam, cotidianamente, ações violadoras aos direitos humanos.

 

Faz-se necessário reafirmar que a atenção aos/às usuários/as de drogas pela política de saúde precisa estar fundamentada na defesa dos direitos humanos e nos princípios da Reforma Psiquiátrica e da Luta Antimanicomial. Não é possível aceitar a internação involuntária e/ou compulsória como a principal estratégia para o enfrentamento do crescimento do uso e abuso de drogas, lícitas ou ilícitas.

 

Neste ínterim, alertamos para o retrocesso no direcionamento da política de Saúde Mental no Espírito Santo, uma vez que o Estado possui uma rede insuficiente de Centros de Atenção Psicossocial. Um cenário distante para a efetivação do direito ao cuidado de base territorial e escasso para a demanda que se apresenta.

 

Diante dessas considerações, fica evidente a necessidade de uma análise crítica sobre os discursos e práticas segregadores e desumanizadores acerca das questões relacionadas à saúde mental.  Torna-se imprescindível aproveitar todos os espaços de participação popular, reafirmando-se o debate sobre as ações voltadas para prevenção, promoção e recuperação da saúde mental da população, inclusive nas especificidades relativas ao uso de álcool e outras drogas, numa perspectiva não-moralista e não-conservadora. Efetivar ações que atendam a essas demandas exige a implementação de várias políticas públicas intersetoriais, que atuem em uma rede de atenção integral.

 

A história da saúde mental e sua constituição enquanto política pública nos aponta a necessidade do fortalecimento da organização dos trabalhadores, usuários e familiares na luta pela construção dessa política.

 

Ressaltamos o compromisso ético-político das/os assistentes sociais na defesa dos princípios e diretrizes da Reforma Psiquiátrica e na superação das práticas manicomiais e violadoras de direitos. Percebemos velhas formas de reclusão das pessoas em situação de uso abusivo de álcool e/ou outras drogas, marcadas pelos interesses privados e mercadológicos que incidem diretamente sobre a política de saúde. Faz-se primordial defendermos a autonomia e a participação ativa desses indivíduos, repudiando qualquer ação de caráter higienista e de limpeza social. Torna-se também imprescindível a defesa e o fortalecimento da Política Nacional de Redução de Danos, como possibilidade de cuidado e promoção da saúde, endossando o seu caráter intersetorial, com destaque para as políticas de educação pública e de defesa dos direitos, posicionando-se contrariamente ao Programa “Crack, é possível vencer”.

 

No mais recente Encontro Nacional do Conjunto CFESS/CRESS, realizado no mês de setembro de 2014, a categoria de assistentes sociais se posicionou diante da problemática da saúde mental por meio das seguintes deliberações do eixo Ética e Direitos Humanos:

 

1)Fortalecer a luta pela plena efetivação da reforma psiquiátrica e dos mecanismos de atenção aos usuários dos serviços de saúde mental, álcool e outras drogas, articulado com o controle social e movimentos sociais, na perspectiva de ampliação e consolidação de uma rede substitutiva que seja capaz de sustentar uma ação integral e antimanicomial no campo da saúde mental.

 

•defesa da ampliação e dos investimentos nos serviços da rede pública de atenção integral (CAPS I, II e III, CAPs AD, CAPs Infantil, Centros de Convivência, Centros de Acolhimentos Transitório, Leitos para Desintoxicação em Hospitais Gerais, leitos Psiquiátricos em HG, Residências Terapêuticas e Consultório de Rua) às pessoas em sofrimento mental e usuários de substâncias psicoativas, posicionando-se contra a privatização dos serviços de saúde mental;

 

•defesa da expansão e consolidação dos serviços residenciais terapêuticos (SRT), articulando-os à política nacional de habitação, para que o processo de desinstitucionalização dos pacientes psiquiátricos seja consolidado;

 

•incidência política junto às instâncias de gestão e de deliberação acerca dos critérios de implantação dos serviços de saúde mental, especialmente, os CAPs, possibilitando que mais usuários tenham acesso a esses serviços especializados;

 

•defesa e fortalecimento da Política Nacional de Redução de Danos como possibilidade de cuidado e promoção da saúde, endossando o seu caráter intersetorial, com destaque para as políticas de educação pública e de defesa dos direitos, se posicionando contrário ao programa “Crack, é possível vencer”;

 

•participar dos núcleos da luta antimanicomial e da frente de Direitos Humanos e Drogas e dos diversos espaços de controle social democrático.

 

2)Defender posicionamento contrário à internação de pessoas que fazem uso de álcool e outras drogas em comunidades terapêuticas, unidades acolhedoras e outras instituições congêneres (inclusive nas financiadas por verbas públicas, tendo em vista as denúncias de violações de direitos humanos nesses espaços, através de relatórios de inspeção já realizados, a exemplo dos relatórios do Conselho Federal de Psicologia e do Comitê de Prevenção e Combate à Tortura do Estado do Rio de Janeiro), defendendo a perspectiva de redução de danos e uma intervenção profissional e laica no tratamento dessas pessoas.

 

Pelo exposto, o CRESS/ES 17º Região com base nas deliberações do 43º Encontro Nacional CFESS-CRESS (2014) defende o fortalecimento da luta pela plena efetivação da reforma psiquiátrica e dos mecanismos aos usuários dos serviços de saúde mental, álcool e outras drogas, articulado com o controle social e com os movimentos sociais, na perspectiva de ampliação e consolidação de uma rede substitutiva que seja capaz de sustentar uma ação integral e antimanicomial no campo da saúde mental. Temos o compromisso com a emancipação humana e com uma sociedade em que os/as diferentes sejam considerados/as parte da experiência humana de estar no mundo, cada um/a segundo as suas possibilidades, que se faz na concretude do ser social.

 

Diretoria do CRESS-17ª Região.


(Contribuições – CFESS Manifesta – Dia Mundial da Saúde Mental/2011).

*A arte que ilustra o texto é uma reprodução do CFESS Manifesta – Dia Mundial da Saúde Mental/2011. Ela é uma homenagem à Estamira Gomes de Sousa, personagem-título de um premiado documentário brasileiro, falecida em julho de 2011. Estamira era catadora de lixo e trabalhava no aterro sanitário de Gramacho (Duque de Caxias - RJ). Ela sofria de esquizofrenia e acreditava ter a missão de trazer os princípios éticos básicos para as pessoas que viviam fora do lixo.

LAST_UPDATED2
 

Direto do Conselho

  • 0
  • 1
  • 2
prev
next

Intervenção do CRESS-ES em processos sel

O CRESS-17ª Região, por meio da Comissão de Orientação e Fiscalização – COFI construiu uma nota explicativa apresentando informações acerca das intervenções adotadas no acompanhamento de oferta de vagas em concursos ...

Direto do Conselho | Quarta-feira, 11 Outubro 2017

Leia mais

Melhorias no sistema de PABX

  A Gestão "Tempos de Resistir" tem ciência das dificuldades enfrentadas pela categoria no acesso ao CRESS via contato telefônico. Após análise dos problemas, foram realizadas melhorias no sistema PABX com aq...

Direto do Conselho | Terça-feira, 26 Setembro 2017

Leia mais

IDENTIDADE DE GÊNERO: CRESS-ES apresenta

O CRESS-ES divulga Termo de Orientação sobre "respeito à identidade de gênero e a utilização do nome social nos diferentes espaços ...

Direto do Conselho | Sexta-feira, 6 Janeiro 2017

Leia mais
next
prev

Agenda

Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner