Tweetar


Nota de apoio à greve das/os servidoras/es municipais de Vila Velha Imprimir
Qua, 27 de Abril de 2016 13:21

O CRESS-17 reafirma o compromisso com a luta pela valorização e respeito às/aos servidoras/es públicos, com as/os usuárias/os e com a luta pela construção de políticas públicas que atendam as necessidades da população

 

A defesa por condições adequadas de trabalho é uma bandeira permanente do Conjunto CFESS/CRESS, tanto em relação às/aos assistentes sociais, como a toda classe trabalhadora.

 

Nesse sentido, o Conselho Regional de Serviço Social do Espírito Santo - 17ª Região (CRESS-17) vem a público manifestar seu apoio à greve geral das/os servidoras/es municipais de Vila Velha, deflagrada no dia 29 de março de 2016, ciente de que toda a valorização do/a trabalhador/a e de suas condições de trabalho reflete diretamente no serviço oferecido às/aos cidadãs/cidadãos.

 

Segundo informações do sindicato das/os servidoras/es, além de ser um município que notadamente tem um dos piores salários da Grande Vitória, Vila Velha vem sistematicamente retirando de suas/seus trabalhadoras/es direitos garantidos em lei. É o caso da insalubridade de algumas categorias profissionais, incluindo as/os assistentes sociais, sem que houvesse visita técnica aos locais de trabalho para devida constatação das condições insalubres.

 

Além disso, o movimento tem denunciado péssimas condições de trabalho e assédio moral diariamente.

 

Destaca-se que a greve foi deflagrada pela negociação de reajuste salarial e do benefício do auxílio alimentação, mas as/os servidoras/es levantam uma série de reivindicações que ultrapassam essas demandas, como melhores condições de trabalho e ampliação de investimentos nas políticas públicas do município.

 

O CRESS-17 reafirma o compromisso com a luta pela valorização e respeito às/aos servidoras/es públicos, com as/os usuárias/os e com a luta pela construção de políticas públicas que atendam as necessidades da população.

 

Acreditamos que essa luta somente é possível se articulada coletivamente e destacamos o protagonismo das/os assistentes sociais no município, assumindo inclusive o comando local de greve.

 

Reforçamos nosso incentivo à organização coletiva da classe trabalhadora, sendo a greve um dos seus principais instrumentos de luta ao longo da história da luta de classes!

 

Ratificamos a posição do Conjunto pela sindicalização por ramo de atividade para as/os assistentes sociais e repudiamos toda e qualquer forma de violência e cerceamento da liberdade de manifestação das/os trabalhadoras/es, por isso “Não Vamos nos Adaptar”!

 

Vitória, 27 de abril de 2016

Gestão do CRESS-17 – “Não vou me adaptar”.

LAST_UPDATED2